Viagem do Porto ao Senegal utilizando Transportes Públicos 13 de Fevereiro a 01 de Março de 2017

 

 

Tendo já efetuado várias viagens em África ao volante de um Land Rover Defender, senti o desejo de fazer uma viagem diferente em que partilhasse os meios de transporte públicos utilizados pelos nativos, caminhando por cidades, povoações e estradas com o objetivo de me sentir confrontado com um ambiente que rapidamente me fosse familiar por tão bem me sentir.

 

Viagem efetuada, considero os objetivos de tal forma atingidos, que sinto que outras acontecerão. 

 

O que considero como caracteristicas deste tipo de viagem?

Mais convívio com nativos, viagem descansada, mais económica, divertida, sem preocupações com veículo de transporte (segurança, avarias), saudável (caminha-se muito para conhecer), liberdade de meios de transporte públicos (comboio, camioneta, mini-bus, taxi, carroça, burros) e caminhadas por trilhos.

 

Custos (em euros) com transportes?

Porto-Senegal (Rosso): 218€

 

Em detalhe:

Porto - Algeciras  (Autocarro Eurolines):   40

Ferry Algeciras - Tanger Med: 26

Tanger Med - Asilah (comboio): 45

Asilah - Casablanca (comboio): 11

Casablanca - Marraquexe (comboio): 9

Marraquexe - Laayoune (Autocarro): 34

Laayoune - Dakla (Autocarro): 16

Dakla - Guerguerat (Autocarro): 15

Guerguerat - Nouakchott (mini-bus): 16

Nouakchott - Rosso (mini-bus): 6

 

1€ = 10,374 dirams

1€ = 377,465 ouguias

 

Os preços dos transportes são fixos, a menos dos taxi, cujo preço depende do número de ocupantes silmultâneos e de negociação.

No Senegal os ciclomotores são utilizados intensamente como taxi. O preço é negociado.

Os preços dos alojamentos são negociados.

Os preços dos alimentos já confeccionados, nas ruas e estabelecimentos são normalmente fixos.

Os preços dos alimentos a confeccionar são negociados.

 

Em todos os contactos nunca houve qualquer manifestação de antipatia ou de agressividade, pelo contrário foram sempre acolhedores.

 

Oportunidade de encontrar e conviver com outros viajantes que caminham sós tais como Sergei, um russo de Moscovo que tinha conhecido a Mauritânia em auto stop durante um mês e não falava outra língua que não o russo. Um outro viajante, Salvador, da cidade do México, que já tendo viajado pelo extremo oriente, China e Europa estava a iniciar o conhecimento de África. Em Laayoune (Sahara Ocidental) conheci uma família e amigos que proporcionaram momentos de convívio inesquecíveis.

 

Situações ocorridas com transportes em taxi de motociclo no Senegal: na primeira o cliclomotor teve um furo na roda traseira e o senegalês levou-a à mão até à primeira oficina que lhe apareceu. Pediu ao cliente para aguardar na berma da estrada que regressaria com o veículo funcional.Obviamente que não aguardei e acompanhei-o a pé na busca de uma oficina.

 

A segunda com o mesmo tipo de transporte a caminho de Saint Louis: a polícia de patrulha na berma da estrada aplicou uma multa ao condutor por conduzir sem capacete. O jovem condutor pacientemente negociou o preço da multa, conseguindo pagar só o valor correspondente à terça parte do inicialmente pedido pelo polícia.